26 Mar 2020

Saúde mental em casa: aprenda como bem estar

O mundo inteiro enfrenta esta pandemia global, com alguns contornos ainda desconhecidos. A melhor arma que as entidades governamentais e de saúde encontraram para lutar contra o vírus foi o isolamento. Temos o planeta confinado a casa e, naturalmente, não estamos habituados a lidar com esta espécie de prisão, repentina e forçada, sem um fim concreto à vista. É preciso encontrarmos um ‘novo estado normal’, um novo equilíbrio que nos permita não adoecer pela via psicológica e continuar a apoiar todos os que dependem de nós. Acredite que é preciso reaprender a estar e a bem estar. Quando falamos de saúde mental, no essencial, e segundo a Direção-Geral da Saúde, falamos de:

  • Capacidade de adaptação a novas circunstâncias de vida/mudanças;
  • Superação de crises e resolução de perdas afetivas e conflitos emocionais;
  • Ter capacidade de reconhecer limites e sinais de mal-estar;
  • Ter sentido crítico e de realidade mas também humor, criatividade e capacidade de sonhar;
  • Estabelecer relações satisfatórias com outros membros da comunidade;
  • Ter projetos de vida e, sobretudo, descobrir um sentido para a vida.

Para manter a mente sã em tempos fora do normal, siga estas pistas

 

Ganhe novos hábitos

Estando sozinho ou a coabitar, a gestão do dia a dia é completamente nova e exige o melhor de nós. Não são só os hábitos de defesa e higiene que é preciso integrar: é organizar espaço, tempo de trabalho, tempo de lazer, apoio à família, compra de bens essenciais e uma hábil gestão do stress que tudo isto acarreta. É realmente fácil a pessoa desorganizar-se, falhar prazos exigentes de trabalho, gastar muitas horas a dar assistência à família, ter pouca atividade física, perder-se no pânico e nas notícias difíceis de digerir. O que pode fazer desde os primeiros dias, para bem de todos, é reorganizar-se com disciplina e paciência…e nessas regras tem mesmo de constar tempo para algum lazer.

Reveja o seu orçamento e tenha as obrigações em dia

Verifique todas as obrigações que tem com as Finanças, Segurança Social, Bancos, Escolas e entidades oficiais, uma vez que agora só as pode contactar à distância. Se tem dúvidas, ligue para as linhas de apoio e para os endereços eletrónicos oficiais: as instituições têm a obrigação de o esclarecer. As multas por incumprimento são muito pesadas. Para além disto, faça contas e pense no que pode poupar. Pode renegociar seguros, juntar créditos, pedir ao banco o adiamento do crédito habitação, se necessário adiar pagamentos de luz ou água, prescindir de serviços supérfluos ou outras medidas imediatas: acredite que há alternativas. Não hesite um dia, sobretudo se imagina que vai perder rendimentos e consulte todos os apoios extra que o governo está a dar em fase de pandemia, mesmo para trabalhadores a recibo verde. A tranquilidade relativa à gestão do orçamento e segurança pessoal e familiar é também fundamental para manter a saúde mental.

Faça exercício

Se puder, e enquanto puder, vá ao parque fazer algum exercício físico (embora sozinho, com um familiar ou crianças para apanharem 30 minutos de ar fresco), desde que seja um local sem aglomerados de pessoas. Se fizer uma caminhada diária de 30 a 40 minutos, já não é mau. O sedentarismo é um inimigo silencioso e um dos mais perigosos para a nossa saúde mental, para além da física, e um inimigo feroz nestas circunstâncias. Por isso, mesmo no Estado de Emergência vigente, as pessoas ainda o podem fazer, com cuidados, e por pouco tempo. Se não consegue há bom remédio e é grátis: adira ao exercício que está espalhado por toda a internet e faça em casa. Veja se o seu antigo ginásio tem aulas online, vá ao youtube, acompanhe professores de yoga, bailarinos e outros profissionais do exercício que estão a oferecer o seu conhecimento para ajudar todos. Faça com a família ou combine com amigos seguirem as mesmas aulas online e troquem experiências. Se acha que precisa de um compromisso maior e pode fazê-lo, tem hipótese de pagar este tipo de aulas, em plataformas como a superprof ou em ginásios/escolas que estão a aceitar alunos online.

Atualize os contactos e as redes sociais

A comunicação agora faz-se sobretudo na rede e não sabemos durante quanto tempo. Pense em manter todos os seus contactos, endereços de e-mail, comunicação por vídeo e redes profissionais e sociais atualizadas. Para lazer, porque não aderir a redes ou apps novas? Manter uma comunicação regular e eficaz com o exterior reforça o sentimento de pertença e os laços.

Aprenda coisas novas para trabalho e para prazer pessoal

Se o seu tipo de atividade lhe dá um pouco mais de tempo, se não pode trabalhar ou está a dar assistência à família (sem teletrabalho), aproveite para estar atento à sua área profissional. Siga as associações do sector e veja as novas tendências. Pode aproveitar para fazer formação, dado que se prevê a multiplicação das hipóteses de aprendizagem online, sobretudo se o período de isolamento for muito prolongado. No campo do lazer, é uma excelente oportunidade para ler, ver filmes, ouvir música e aprender aquelas coisas de que tanto gosta, mas para que nunca tem tempo. Aprenda através tutoriais na internet, explore o mundo dos cursos gratuitos online, junte-se a grupos de redes sociais com assuntos do seu interesse. A aprendizagem online vai evoluir muito nos próximos meses, pelo que vai haver mais coisas gratuitas. Pode também juntar-se com um grupo de amigos com interesses comuns e pagarem, em conjunto, aulas online, sendo mais uma forma de apoiar a economia (não se esqueça de quem não tem trabalho ou só recebe se trabalhar). Uma das regras para manter o cérebro ativo é aprender continuamente e criar novas redes neuronais. E se pegasse agora naquele instrumento musical que quer aprender? Tenha é cuidado com o barulho para os vizinhos!

Mantenha a ligação regular a família, amigos ou vizinhos

Quem está nesta situação tem de ter clara a noção de que a vida não é só trabalho. O fenómeno de isolamento é semelhante ao dos freelancers (mas mais drástico), para quem é perigoso perder a ligação social inerente a ter um local de trabalho ou outros círculos sociais. Em termos pessoais, terá de reinventar e manter as rotinas sociais com família, amigos e conhecidos. Esta é uma das regras para o equilíbrio pessoal – até porque se trata de uma fase de grande apreensão entre toda a população. Contribua para a calma e esperança entre o seu núcleo mais próximo, e aprenda a ter algum tempo para si, porque só assim ajuda todos. Não se esqueça dos vizinhos, sobretudo os mais idosos: comunique e apoie na medida do possível. A saúde mental também se aplica às comunidades de proximidade. Combine cafés virtuais com amigos e família, aproveitando uma pausa que é para todos; faça grupos de conversa nas aplicações ou redes sociais (mesmo que só converse 15/20 minutos por dia); faça playlists musicais e troque-as com amigos; escolha livros, discos ou filmes/séries para um grupo de amigos discutir, marcando prazos e reuniões online para tal; faça ‘festas’ e brindes virtuais para assinalar datas especiais porque a vida continua e é preciso que tenha a maior ‘normalidade’ que conseguir.

Planeie (com antecedência) atividades para crianças ou idosos

Se tem familiares mais frágeis a seu cargo, uma forma de evitar o acumular de tensões desnecessárias é ter desafios pensados, em família ou para um grupo. Sobretudo para os mais novos, com a sua enorme energia por gastar, é essencial pensar, para além dos trabalhos escolares, no exercício físico, no tempo livre com e sem ecrãs, nos trabalhos escolares, em atividades como leitura, jogos, desenho, puzzles, etc. A depender da idade que tenham, enquanto se entretêm, também pode ir fazendo algo para si próprio. É uma boa estratégia fazer com que leiam mais e façam atividades que sempre quis que fizessem, mas não havia tempo. Pais e educadores têm agora uma oportunidade para uma educação que não seja totalmente dependente de jogos online e redes sociais, apesar de estes fazerem parte da vida e serem úteis neste tempo de confinamento social.

 

Como posso saber mais?

Através da nossa Área de Cliente APRIL Seguros, com equipas especializadas que prestam um serviço de atendimento e suporte personalizado. A linha APRIL 808 300 123 / 213 433 362 disponível todos os dias úteis, de 2ª a 6ª feira, das 9h às 13h e das 14h às 18h (custo de chamada local).

Estamos inteiramente ao seu dispor.

 

Ao enviar os seus dados concorda com a Política de Privacidade da April Portugal
Autorizo a recolha dos meus dados pessoais e que os mesmos sejam processados e armazenados informaticamente, bem como o contacto pela APRIL e/ou por um Parceiro APRIL.
Autorizo a utilização dos meus Dados Pessoais pela APRIL, para efeitos de comercialização de produtos e serviços e para fins de Marketing, incluindo, por exemplo, contacto por SMS, MMS e correio eletrónico